O SC Braga venceu o dérbi do Minho ao bater o Vitória de Guimarães pela margem mínima, e logo a abrir a Liga NOS 16/17. Arranque moralizador. Os arsenalistas adiantaram-se cedo no marcador e conseguiram aguentar a pressão da equipa da casa, que foi superior no segundo tempo e desperdiçou até uma grande penalidade.

Arsenalistas letais

Depois da derrota na Supertaça, diante do Benfica, o SC Braga entrou no campeonato com ânsia de virar a página, frente a um Vitória de Guimarães também à procura da sua identidade, com Pedro Martins a estrear-se à frente da equipa.

José Peseiro manteve a aposta na velocidade, fazendo do contra-ataque a principal arma da equipa, e aos 15 minutos o placar já sofria uma alteração, fruto de um disparo de primeira de Pedro Santos, após cruzamento da esquerda de Marcelo Goiano.

Com o passar dos minutos, o Vitória de Guimarães foi crescendo no jogo, e embora não tenha criado nenhuma situação de verdadeiro perigo junto da baliza de Marafona, o equilíbrio era notório no final do primeiro tempo.

Para além do golo apontado, Pedro Santos dava nas vistas pela sua eficácia de passe de 87%, enquanto Baiano brilhava no outro extremo do campo, com cinco acções defensivas e uma impressionante percentagem de duelos ganhos de 80%.

Ameaçar só não chega

A equipa vimaranense entrou mais forte na segunda parte, com Hurtado a assumir protagonismo nas manobras ofensivas. À passagem da hora de jogo, o extremo peruano tinha já dois remates e dois passes para ocasião por sua conta, mas o golo teimava em não querer nada com ele ou com os seus “emissários”.

Na recta final do desafio, o Vitória dispôs de uma oportunidade de ouro para restabelecer a igualdade, depois de falha incrível de Marafona na área, à qual se sucedeu uma falta de Rosic sobre Areias. Chamado a bater a grande penalidade, Soares acabou por ceder à pressão, permitindo a Marafona realizar a defesa da noite, com os pés.

Até ao apito final o jogo foi de sentido único, mas de uma forma ou outra o sector mais recuado do SC Braga conseguiu dar sempre conta do recado, demonstrando um grande espírito de sacrifício e entreajuda, com um “comandante” em evidência: Boly.

Uma vitória importante para o Braga num jogo que não deixa saudades: os “guerreiros” entraram apenas 14 vezes na área adversária, o mínimo até agora da primeira jornada da Liga 16/17 (com um jogo por disputar).

Um rochedo chamado Boly

Num jogo com escassas oportunidades e de qualidade global “sofrível”, foi um defesa a brilhar. Willy Boly liderou as acções defensivas (19 no total, incluindo 14 alívios) para o SC Braga e ganhou ainda 57% dos duelos em que esteve envolvido, o que lhe valeu que lhe valeu um GoalPoint Rating de 6.8.  Com o FC Porto no seu encalço, o defesa francês fez questão de mostrar que está pronto para voos mais altos.

Sem surpresas, Pedro Santos esteve também em destaque, com um GoalPoint Rating de 6.6. Para além do golo apontado, o extremo de 28 anos apresentou uma eficácia de passe de 77% e foi o jogador da sua equipa que mais faltas sofreu (a par de Baiano).

Do lado do Vitória, o destaque vai para Hurtado, o mais inconformado da sua equipa. O atacante peruano fez dois remates (um deles enquadrado), dois passes para ocasião e dois cruzamentos eficazes. Números que terão deixado Pedro Martins contente e que tiveram um grande peso no seu GoalPoint Rating de 5.8 no final do desafio.

GoalPoint | Vitória Guimarães vs Sporting Braga | Liga NOS 2016/17 | Ratings
Clique para ampliar
GoalPoint | Vitória Guimarães vs Sporting Braga | Liga NOS 2016/17 | MVP
Clique para ampliar
GoalPoint | Vitória Guimarães vs Sporting Braga | Liga NOS 2016/17 | 45m
Clique para ampliar
GoalPoint | Vitória Guimarães vs Sporting Braga | Liga NOS 2016/17 | 90m
Clique para ampliar