Em quase tudo na vida os balanços costumam chegar em Dezembro, antes do início do novo ano, mas a Liga NOS é excepção. É normalmente em Janeiro que chegamos a meio do campeonato e não há melhor timing para uma primeira análise aos melhores do campeonato.

Após já termos dado a conhecer o homem mais bem pontuado no final das primeiras 17 jornadas, Bas Dost, chega agora a hora de lhe apresentarmos quem o acompanha entre as jogadores com melhor desempenho no nosso campeonato. Como é habitual, seleccionamos três jogadores por posição numa organização táctica em 4-3-3, e há algumas tendências curiosas.

Desde logo o facto de se repetirem cinco jogadores em relação ao “onze ideal” da primeira volta da época passada. Mesmo com a fórmula do GoalPoint Rating alterada, a consistência nos desempenhos elevados valeu a Corona, Felipe, Alex Telles, Pizzi e Bruno Fernandes a manutenção do lugar entre as melhores escolhas para as suas posições.

Consistência é também uma palavra que se aplica à defesa portista. Tal como na época passada, a linha defensiva é 100% “azul-e-branca”, com Corona a recuar para lateral substituindo Ricardo Pereira, e Éder Militão a fazer esquecer Iván Marcano. O FC Porto lidera o campeonato com apenas dez golos sofridos, não sendo por isso de espantar essa tendência.

Para além dos quatro defesas titulares, o líder do campeonato coloca ainda mais dois jogadores no “onze” e outro tantos nas “reservas”, sendo por isso, destacadamente, o clube com mais representantes. Segue-se o Sporting com cinco (dois titulares), e os rivais do Minho, Braga e Vitória de Guimarães, com quatro (Ricardo Horta e Douglas como titulares).

As fracas prestações defensivas do Benfica fazem-se sentir no facto de colocar apenas um defesa (Grimaldo) entre os 33. Pizzi e Seferovic são os outros dois jogadores “encarnados” entre os eleitos, isto porque Rafa 7.02, João Félix 6.71 e Zivkovic 6.10 não coleccionaram os 765 minutos exigidos. O extremo português ficou mesmo a escassos 42 minutos de ser o MVP da primeira volta.

GoalPoint-33-magnificos-Liga-NOS-201819-1-volta-3-infog
Clique para ampliar

Três muralhas a norte

O melhor guarda-redes da primeira volta foi o veterano Douglas Jesus, do Vitória de Guimarães. Aos 35 anos, o brasileiro está provavelmente a fazer a melhor época da sua carreira, e tem sido fundamental na boa consistência defensiva do Vitória. Só Helton Leite (segundo classificado) tem – com diferença de apenas uma décima – melhor rácio de remates defendidos, mas o guardião do Vitória supera toda a concorrência se olharmos apenas a remates dentro da área (72,9%). 

A incrível defesa portista

GoalPoint-Jesús_Corona_2018_vs_Jesús_Corona_2017-infogComo já afirmámos, o FC Porto domina por completo o quarteto defensivo, mas com uma novidade na lateral-direita. Jesús Corona era presença habitual entre os nossos melhores da Liga NOS, e já na época passada escrevemos que tinha em si um bom “projecto de lateral”. Pois bem, Sérgio Conceição acreditou nele para essa posição e o mexicano cumpriu, mantendo os bons números a nível ofensivo e mostrando essa consistência a defender. Termina a primeira volta entre os laterais com mais intercepções por 90 minutos (2,3), de longe o que mais dribla (3,0) e ainda um dos que tem mais eficácia no cruzamento (26%). Se Corona fosse opção para extremo, o titular seria o bracarense Marcelo Goiano. A meio da época continua a ser o lateral com mais desarmes a nível europeu (4,7 / 90m), tal como tínhamos dado conta no final de Outubro.

GoalPoint-Alex_Telles_2018_vs_Álex_Grimaldo_2018-infogDo lado esquerdo é já um clássico vermos Alex Telles e Grimaldo na luta pela posição, mas também tradicionalmente a luta é ganha pelo brasileiro. Apesar de só ter três assistências esta época, em contraste com as 13 com que terminou 17/18, Alex continua a ser o mestre das bolas paradas na Liga NOS. A cada 90 minutos oferece 2,4 passes para finalização desta forma, e defensivamente mantém-se no “top 5” entre os laterais-esquerdos que mais passes interceptam (2,1 / 90m) e maior percentagem de duelos aéreos defensivos ganham (69%). Destaque ainda para o português Rúben Lima, que termina a primeira volta com 2,4 desarmes e 2,7 intercepções a cada 90 minutos, garantido o terceiro posto.

O FC Porto já era na temporada passada uma das defesas mais fortes da Europa no que toca ao jogo aéreo, e isso mantém-se. Felipe está com uma impressionante eficácia de 85% (de longe o melhor entre os centrais) e o seu compatriota, Éder Militão, regista 70%. Os dois estão também no “top 5” dos centrais que mais passes interceptam (3,1 e 2,5 por 90 minutos, respectivamente) e Militão tem a curiosidade de só encaixar um golo a cada 252 minutos. Entre os centrais, destaque ainda para a dupla do Sporting. Coates (3º) e Mathieu (6º) têm lugar entre os melhores centrais, com intromissão apenas de Marcão (ex-Chaves, agora no Galatasaray) e de Pedro Henrique.

“Miolo” muito português

Enquanto discute a sua renovação, Héctor Herrera continua a marcar os seus desempenhos por uma consistência à prova de rumores. Com 6,3 acções defensivas por jogo, o mexicano mantém a consistência defensiva e junta-lhe ainda grande qualidade no passe longo (70% de eficácia), mesmo para o último terço (65%). Recém-chegado à Liga NOS, Claudemir pegou de estaca no Braga, que ainda tem Mamadou Loum 5.91 a brilhar no Moreirense, o quarto melhor médio-defensivo do campeonato, que ficou a apenas uma centésima de Danilo Pereira.

GoalPoint-Tops-1-Volta-008-Liga-NOS-201819-Expected-Assists-infog

No centro nevrálgico do meio-campo está Pizzi. O brigantino continua a não ser consensual entre os benfiquistas, mas teve um grande início de época, tendo sido considerado o melhor jogador do mês de Agosto com o melhor rating mensal 8.41 de sempre no GoalPoint. O “camisola 21” do Benfica é o grande criativo do campeonato, liderando rankings importantes como o de assistências, expected assists (uma a cada dois jogos), passes para finalização (3,4 / 90m) e passes certos para o último terço (20,9). Na sua posição aparece o vimaranense André André, no segundo posto, enquanto Chiquinho, que até fez a pré-época no Benfica, também garantiu lugar entre os 33, provando que, porventura, tinha lugar no plantel “encarnado”.

GoalPoint-Chiquinho_2018_vs_Gedson_Fernandes_2018-infogComo médio mais ofensivo surge Bruno Fernandes, o outro “leão” entre os titulares, a par de Bas Dost. O português é o médio mais rematador do campeonato (3,4 / 90m), tendo já anotado seis golos. Para além disso, só Pizzi o supera em passes para finalização (3,0 / 90m). Tudo somado são 6,4 acções de remate a cada jogo, de longe a melhor média entre todos os jogadores da Liga. Tozé Carvalho e Eber Bessa, outros dois exímios rematadores, acompanham Bruno Fernandes nos três melhores desta posição. Ambos se destacam também pelas muitas faltas que sofrem (2,6 e 3,4, respectivamente).

A Horta do holandês voador

GoalPoint-Nani_2018_vs_Mama_Baldé_2018-infogOtávio jogou pouco (772 minutos, apenas sete acima do limite), mas o suficiente para garantir um lugar no “onze”. Nenhum jogador da Liga NOS precisou de menos tempo até assistir um colega para golo (193 minutos), e todas elas surgiram em lances de bola corrida. Jogando habitualmente no lado direito, o brasileiro terminou a primeira volta com uma soberba eficácia de cruzamento (54%) e ainda mostrou o habitual comprometimento com tarefas defensivas (5,8 acções por jogo). Como alternativas a Otávio aparecem dois jogadores do Sporting: Nani e Mama Baldé, que faz a sua segunda época de empréstimo ao Aves. Os dois jogadores não podiam ser mais diferentes, mas certo é que ambos têm mostrado ser excelentes activos do clube de Alvalade.

O lado esquerdo pertence ao terceiro português do “onze”, Ricardo Horta, e também o único “arsenalista” entre os titulares. Partindo da esquerda, mas jogando muitas vezes quase como um terceiro avançado, Horta terminou a primeira volta com cinco golos e duas assistências, confirmando a sua condição de figura dos “guerreiros do Minho”. O japonês Shoya Nakajima garantiu o segundo posto, com Brahimi, melhor jogador da primeira volta em 2017/18, a ter desta feita que se resignar ao terceiro posto.

 

 

Nem sempre é assim, mas desta vez os três melhores pontas-de-lança são também os que marcam com mais frequência, e pela mesma ordem. Bas Dost continua a revelar-se um dos mais eficazes a nível europeu, com taxas de conversão de remate quase sobrenaturais, mas tem tido em Dyego Sousa – que até lidera a lista de melhores marcadores – um concorrente à altura. Enquanto Bas Dost está sempre no sítio certo à hora certa, Dyego Sousa é um autêntico inventor de golos. De acordo com a qualidade de ocasiões que teve, seria de esperar que tivesse menos 6,8 golos do que tem na realidade. Para terminar, duas surpresas. A presença de Seferovic, que parece estar finalmente a mostrar o seu valor, e a ausência de Moussa Marega, que com 5,63 consegue apenas o décimo melhor GoalPoint Rating entre pontas-de-lança. As dificuldades técnicas (perde 40% das posses de que dispõe) não têm ajudado.

GoalPoint-Haris_Seferović_2018_vs_Moussa_Marega_2018-infogPromessas para a segunda volta

Por não terem completado o mínimo exigido de 765 minutos, ficaram de fora alguns jogadores que, ao continuarem assim, têm boas probabilidades de aparecer na eleição dos 33 finais:

  • Rafa Silva (Benfica) 7.02 – Ficou a 42 minutos de ser o melhor jogador da primeira volta. Não se sabe se voltará a agarrar a titularidade depois da lesão, mas o certo é que estava no melhor momento de forma desde que chegou ao Benfica.
  • Raúl Silva (Braga) 6.66 – Uma lesão também o retirou das opções de Abel Ferreira nas primeiras jornadas, mas nos sete jogos em que actuou tem mostrado a mesma forma que o fez entrar no “onze” ideal da época passada.
  • Óliver Torres (Porto) 6.59 – Parece ser sempre o primeiro a cair do “onze” quando as coisas correm menos bem ao Porto, mas quando está em campo a sua qualidade fica à vista de todos. Resta saber se o vamos ver na segunda volta.